Beijo com sabor a mar

Eu era apenas um garotinho quando tive a sorte de dar meu primeiro beijo, foi com uma colega da escola, em pleno ensino fundamental. Para causar ciúmes a um amigo meu, ela disse que queria me beijar. Logo eu, o nerd do rolê, avacalhado da sala, gordinho, tímido e com a alto estima sete palmos abaixo do chão.

Eu a achava bem bonita, bonita mesmo, sabe? Já com o pensamento sexualizado que só a bexiga, mas ainda assim mantendo os sentimentos que condiziam com minha idade, tinha uma mistura de admiração mística e tesão com relação àquela pequenina grande mulher. Me lembro que tinha uma cicatriz na bochecha esquerda, cabelo bem liso e preto, quase sempre preso em rabo de cavalo; que tinha um sorriso malicioso e intrigante, que eu media seu corpo dos pés à cabeça e o volume do seu quadril e dos seus seios, ainda longe de desabrochar, me fascinavam, eram de uma opulência magnânima aos meus olhos.

Ela sempre evitava o olhar direto, aquele em que é possível ver o próprio reflexo nos olhos do outro. Mas, quando queria manter a mirada, me hipnotizava, era um olhar duro, profundo, decidido, que aproximava e repelia ao mesmo tempo, dava medo.

O povo dizia que ela era mais ou menos. Também diziam que era uma “vagabunda” porque, apesar d’ainda ser pré-adolescente, já tinha ficado com alguns meninos. E, de acordo com rumores, ela deixava que lhe tocassem o sexo, lhe apertassem o corpo, lhe beijassem com voracidade, que murmurava sacanagens nos ouvidos dos amantes. Eu não tinha coragem de confrontar o povo, só que aquele ódio me parecia de um recalque colossal. Ela era capaz de enfrentar abertamente a discriminação de toda uma escola para explorar seus desejos e respeitar suas vontades. Eu a admirava um montão, isso sim.

Tudo aconteceu muito rápido: passadas 24 horas do anúncio oficial, nos escondemos nos fundos da escola, perto da residência do caseiro, num lugar escuro e abafado, e nos beijamos.

Foi a maior loucura! Eu não sabia o que fazer com minha boca, os dentes se transformaram em obstáculos, minha língua se mexia freneticamente de um canto pro outro, do outro pro um e minhas mãos… bem, essas daí tremiam e suavam sem parar. Ainda assim, à época, achei que tinha mandado maior bem, considerando que era a primeira vez que mergulhava naquela imensidão de sensações. Poucos minutos depois do beijo, no entanto, tive uma reação estranha na garganta: foi como se eu tivesse engolido um quilo de sal marinho. Um gosto arenoso que permaneceu comigo o dia todo, não importando quantos litros de água eu tomasse ou se escovava os dentes três mil quatrocentas e trinta e duas vezes seguidas.

No dia seguinte, ela disse a meu amigo que beijar-me era apenas uma maneira de irritá-lo, chamar sua atenção, porque queria ser a namorada DELE. Então, eles se beijaram. Fiquei puto. Resolvi descontar minha frustração no garoto, saímos na porrada. Depois ainda ficamos sem nos falar por uma semana. Após este período, ela disse que queria me beijar novamente, que finalmente havia se apaixonado por mim, que meu amigo era apenas um brinquedo, uma maneira de testar a intensidade do meu amor.

Apesar do desejo de beijar aquela misteriosa garota, fui falar com meu amigo e contar-lhe toda a história. Ele ficou surpreso e decidimos não discutir mais por causa das mulheres, íamos pôr um fim àquela confusão de uma vez por todas. Fomos juntos contar nosso veredito, ela ficou bastante desolada.

No final, meu amigo e eu decidimos, sem dizer nada um ao outro, conversar escondidos com nossa companheira de estrepolias amorosas e pedir-lhe secretamente em namoro. Ela adorou a ideia e, sem nunca mencionarmos o assunto, tivemos um relacionamento a três por algumas semanas.

Anúncios
Esse post foi publicado em Artigos e Opinião e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s