“Casarão Santos Dumont” inspira trilogia teatral

Paulo Faria

Paulo Faria/ Foto: Lenise Pinheiro

São Paulo 5/5/2010 (Catraca Livre) – Um casarão, localizado no centro de São Paulo, que pertenceu à família de Santos Dumont na década de 20, virou manicômio nos anos 50, depois cortiço e uma espécie de Quartel General do crime na “Cracolândia” em 2000.

É neste espaço que se desenrola a “Trilogia Degenerada”, conjunto de peças produzidas pela Cia. Pessoal do Faroeste com estreia marcada para o dia 8 de maio, na sede da trupe.

Os espetáculos têm entrada “Pague quanto puder”, na qual o espectador contribui com a quantia que desejar.

Construído no final do século 19, no bairro Campos Elíseos, Al. Cleveland, nº 601, o “Casarão Santos Dumont” é o ambiente escolhido por Paulo Faria, diretor dos espetáculos, para mostrar as influências históricas presentes no cotidiano da população paulistana. Sempre abordando o conceito de eugenia (estudo de pureza e supremacia racial de pessoas brancas), o dramaturgo monta um trio de melodramas inspirados em mitos gregos. “Meu objetivo é aliar teatro e crítica social para refletir por que existem diferenças tão grandes num mesmo local, no qual convivem “Cracolândia” e Sala São Paulo, uma ao lado da outra”, explica Paulo.

O início da história se dá com a peça “Os Crimes de Preto Amaral (1927)”. Nessa época, a elite cafeeira paulistana procura adaptar-se culturalmente ao fim da escravatura e à intensa imigração de europeus. É quando José Augusto do Amaral, negro e pobre, é preso por acusação de ser o primeiro serial killer do Brasil, com acusações que consideravam o tamanho de seu sexo e rosto. Morreu na prisão sem jamais ter sido julgado.

Depois de uma pausa de 30 minutos, começa o segundo espetáculo: “Labirinto Reencarnado (1944)”. Aqui, a Segunda Guerra Mundial serve de pano de fundo para abordar o papel da eugenia no Brasil, que contou com o segundo maior contingente de nazistas no mundo. Outro intervalo e sobe ao palco “Re-bentos (2000)”. Um cortiço ocupa o espaço que já simbolizou a riqueza do centro e o transforma em um dos principais pontos de distribuição de drogas do país.

Anúncios
Esse post foi publicado em Catraca Livre e Folha.com, Reportagens e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s